18/04/07

YMBA


Nunca o senhor Pinto de Sousa imaginaria que os seus "15 minutos de fama" se estendessem desta maneira.
(Mas mal por mal, antes o mal da fartura...)

Os pormenores da sua saga académica não param de brotar do chão, como cogumelos - o que não basta para que os irredutíveis gauleses que se fecham sobre o Primeiro-Ministro lhe aliviem a cintura de protecção; numa cena patética de teatro do absurdo.

O ter sido dito pela UnI que a conferência de imprensa para divulgação das "conclusões da averiguação interna realizada ao processo José Sócrates" incluiria "revelações bombásticas" (sic) e "dados [...] inesperados"...

...Para à última da hora adiar a conferência de imprensa da "clarificação definitiva" e a seguir esvaziar a bolha que encheu, esclarecendo que afinal as eventuais "revelações bombásticas" não se relacionariam "com o percurso académico" do Primeiro-Ministro!

O ter vindo a lume que Luís Arouca afinal nem sequer era reitor quando autorizou a matrícula de José Sócrates.

O ter sido admitido pela UnI a "falsificação de certificados para denegrir a sua imagem" - objecto enigmático que se espera poder desvendar.
"Falsificação" quando? Hoje? À data da polémica? Para "denegrir" a já defunta UnI?
Ao tempo de Sócrates? Para denegrir o quê ou quem?...
"Falsificação" por quem? Pelos media que noticiaram a paródia? Pelos órgãos institucionais que têm em sua posse os documentos frutacores que deveriam ser um só em conteúdo? "Falsificação" pela própria UnI?
"Falsificação" com que fim real? (Já que o de "denegrir" a universidade é neste oceano um fim risível...)
"Falsificação" com que nível de conhecimento - eu não disse "cumplicidade" - do senhor Pinto de Sousa? Pobre ingénuo, que anos a fio teve "falsificados" documentos pessoais que durante anos foi disseminando pelo País, sem que a alma se lhe bolisse em alerta, tão puro é o jovem no cuidar do mundo...

O ter sido tornado público um "trabalho" rançoso que o senho Pinto de Sousa fez no aconchego do lar e lhe granjeou a cadeira de Inglês Técnico do professor Luís Arouca. Uma mísera folha A4 enviada para o reitor da UnI "acompanhada de um cartão com o timbre do seu gabinete de Secretário de Estado" (noblesse oblige!!), peça-chave da sua obtenção do canudo.
Passaporte dourado para o mundo dos drºs e engºs, que ainda não é claro que lhe tenha sido carimbado antes ou depois de acabado o seu (per)curso...

...E a pronta resposta do Gabinete do Primeiro-Ministro, segundo a qual a apresentação da rançosa folha "prova [que o cavalheiro]
obteve aproveitamento na disciplina"!!!!!
(Exacto, porra!, é esse precisamente o meu problema!)

Ou a possibilidade de o tetra-professor do Primeiro-Ministro na UnI, António Morais (que enquanto lhe dava aulas demorou apenas um mês a entrar para o "Governo" Guterres e quatro a receber de mão beijada a Direcção do influentíssimo Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do Ministério da Administração Interna) ter contratado o pai do senhor Pinto de Sousa - Fernando Pinto de Sousa -, para a fiscalização em Castelo Branco da construção do quartel da GNR .
Só duques.

Mas enfim, seja como for, o que é certo é que os "15 minutos de fama" do Primeiro-Ministro devem estar a ser saboreados, uma vez que continua a dar o flanco.
Para além do desnorte da biografia do senhor Sousa na Wikipédia - que já terá tido "mais de 70 versões diferentes nas últimas duas semanas"-, a "breve nota biográfica" do senhor Sousa no Portal do Governo não inclui o MBA em Gestão de Empresas que terá feito no ISCTE. Porquê?
Uma das "perguntas que esperam uma resposta", do Público, há já largo tempo.

Qual o motivo da hesitação?
Porquê deixar a pós-graduação de fora do seu curriculum?
Porquê o MBA?

Ou como se diz em Inglês Técnico: "YMBA"?

2 comentários:

Núncio disse...

Pedro,
cada povo tem os governantes que merece.
É das leis da natureza.

pedro_nunes_no_mundo disse...

Como eu queria não acreditar nisso, meu caro...