10/01/07

Já chegámos aos Açores?...


Foi noticiado que a Assembleia de Rhode Island, EUA, aprovou um voto de protesto pelo encerramento previsto do consulado português em Providence.

Na origem do voto, a reestruturação da rede consular portuguesa em marcha, que à moda recente de "gerir racionalmente custos" se traduz no encerramento alarve de portas em locais-chave da representação portuguesa no mundo - como em Rhode Island, em que os muitos milhares de portugueses (inscritos nos consulados de New Bradford e Providence - que fechará) formam uma comunidade sólida e influente.

Uma rematada vergonha!

E o que teve a dizer o senhor Presidente do Governo Regional dos Açores - região que muitos port
ugueses deu e dá à América - sobre esta reestruturação e estes fechos?

Começou por garantir o senhor que "o Executivo Regional tem «estas matérias mais ou menos assentes» com o secretário de Estado das Comunidades, tendo em conta a reestruturação que o Governo da República pretende concluir ainda este mês".
(...Assim uma espécie de ter uma ideia do que o Governo vai realmente fazer.)

* Milhares de portugueses.
* Fim de representação diplomática.
* «Matérias mais ou menos assentes».
OK...

De seguida, acrescentou que "o
consulado de Nova Bedford vai manter-se", desenganando os pessimistas portugueses que já pensavam que a enxurrada lhes arrastaria ambos os consulados.
Mas ainda foi mais longe. ("Ai os portugueses de Rhode Island precisavam de mais um consulado?")
Anunciou que "o consulado de Providence será extinto mas, em contrapartida, deve ser aberto um novo consulado na zona da Califórnia" (sic).

"NA ZONA DA CALIFÓRNIA!"

Eu sei que é um bocado má-vontade minha estar a pegar nas infelizes palavras do senhor. Que não era isso que ele queria dizer e patati-patatá.
Mas lamento: foi o senhor que fez a inacreditável associação de ideias!
O que lhe ocorreu veloz à puída inteligência, foi referir a "contrapartida" da "Califórnia".
Em suma, que se um português em Rhode Island tiver assuntos seus a tratar num consulado, olha!, houve um que abriu para aí a 4300 kilómetros!


Ninguém se lembra de o maluco do Presidente da Região Autónoma da Madeira (um "maluco", claro!) acusar o seu Homólogo dos Açores de "ter vendido a autonomia financeira por um «prato de lentilhas»"?

É que eu lembrei-me agora.
Curioso...

Mas fulanos à parte, o desprezo pela portugalidade e pelas suas mais enraizadas forças grassa com a acção deste Governo.
Tanto cá dentro, como lá fora.

Por isso o Conselho das Comunidades Portuguesas se manifestou já contra estes encerramentos abruptos de consulados.

Por isso quase dois mil portugueses se manifestaram frente aos consulados em Orleães e Toulouse, em França, protestando também contra o encerramento dos seus consulados.

Por isso em Nova Iorque, onde também se prevê a implosão do consulado de Portugal se fizeram sentir reacções de muitos mais outros portugueses que se sentem abandonados.
Por um País que será o único da Europa a 27 que não terá ali uma representação consular.

Como se sentirão os portugueses em Durban, na África do Sul.
Onde tantos morrem, abatidos nas ruas por um crime selvagem e sem nexo, com um pensamento derradeiro na sua Pátria.

Nação ingrata.




Neste post tive o orgulho de escrever umas 16 vezes "Portugal"; nos seus variados matizes.
...Isso faz de mim mais patriota que o Governo em funções e seus cúmplices? Certamente que não.
Mas já é uma boa purga.

1 comentário:

cantinho disse...

bom, se atendermos que escrever é pensar sobre, creio que é mais do que purga... e tinha razão o nosso Camões ao enaltecer os portugueses passados e presentes, alertando e questionando D.Sebastião sobre o quão dignificante era (e é, porque as generalizações são uma coisa muito feia!)ser Rei de "tal gente". não é o vergonhoso País mas o vergonhoso governo aqui e sempre. esperemos que a água que passa por baixo do rio ganhe velocidade... e que faça justiça à tradição de não vir a ser a mesma.
muito bom!