10/01/07

Quem tem medo do Lobo Mau?

Quantos portugueses é que ainda não perceberam que vivemos sob uma cultura dominante hegemónica e tutelar?
(Eventualmente, algum que ande mais ensonado...)

Uma cultura que transporta e preserva o que histórica, tradicional e folcloricamente é o retrato de Portugal - porque assim há quem influentemente insista em continuar-nos.

Parece que Belmiro de Azevedo vai papar a PT - isto, em termos descontraída e insultuosamente leigos. (Não percebo nada de Alta Economia e assim quero manter-me ).
Contudo, quem tenha dois dedos de testa e se detenha dois segundos a olhar à volta, não pode deixar de maravilhar-se...


Parece que afinal as jóias da coroa portuguesas valem mesmo tão pouco quanto alguns tubarões queiram gastar. (Tubarões portugueses, senhores!!...)
Que ridícula a transcendência do império PT, que ridícula a prevalência da EDP, da GALP, da Brisa, da Caixa Geral, da CP, etc, considerados os gigantes lusitanos à nossa pequenina escala.

E pior é o efeito psicológico de, ao mesmo tempo, sermos intimidados pelo Estado parolo que nos governa, no desfile transcendente e místico dos seus sinais exteriores de um Poder avassalador, e perceber, num raciocínio proporcional, que podendo eles ser tragados por um capricho empresarial de singulares, mais depressa o podemos ser nós, todos, de uma só bocada, com osso, pele e espanto, sem que ninguém nos pergunte nada.

Contudo, cá em casa, a provável papadela da PT pelo Senhor Continente é muito bem vista.
Cá em casa, como na maior parte dos lares portugueses, em que ou se coleccionaram anos e anos queixas de consumo de uma PT impertinentemente hegemónica, ou a desconfiança crescente numa empresa de capitais do Estado que parasitou os seus clientes até onde pôde, arvorando-se ao mesmo tempo grande investidora no estrangeiro, como podia encarar-se de outra forma tal perspectiva?


Aquela coisa das "companhias de bandeira" serem gigantes bonacheirões, amigos do cidadão, contribuintes líquidos para a independência, para o benefício e para o prestígio nacionais, é história que já não cola.

E a de que "malandragem" é sinónimo de "sector privado", tão pouco.

Aliás, confirmando-se - como se confirmará - a aquisição da PT pela SONAE (resolvendo-se a inacreditável espera em que se encontra o processo, num típico processo à portuguesa...) os meus direitos de consumidor estão plenamente salvaguardados pelos célebres "remédios" impostos à SONAE como forma de evitar a dominância no mercado.

...Que com estes tipos da SONAE não se pode confiar, como no tempo (actual) em que sendo o Estado quem poderia (eventualmente) abusar do domínio detido no universo PT para proveitos próprios, nunca tal lhe passaria pela cabeça!

2 comentários:

Hard disse...

Saludos desde Espanha

cantinho disse...

dos teus melhores posts.