14/03/07

“Chocolate quente com a avó Mafalda”

“Chocolate quente com a avó Mafalda”


Ah, aquele aroma quente de caneca fumegante…
Esquecer tudo, e inalar o doce perfume profundo.
Esquecer o que não interessa, esquecer o resto do mundo,
Repousar e ser criança, por inteiro, um instante.

Tocar os lábios, em beijo, a vida em líquido ardente,
Experimentar o medo e a audácia numa mistura indistinta,
Desafiando as mãos, num recuo e numa finta
O perigo simulado de um chocolate quente.

Mas da vida se faz escola, futuro convencionado.
Muda-se à vista o que interessa.
E aprende-se a estar só.

Mesmo que as recordações me amarrem ao passado.
Mesmo que com urgência e sem pressa
Mais que nunca me apeteça
Dizer: obrigado, avó.

1 comentário:

Joaquim Sobral Gil disse...

Um grande obrigado ao neto que tão boas recordações tem da avó e que tão bem sabe transmiti-las.
Um abração.