12/10/06

O "vomit chic"

Para alguém que tenha um conhecimento minimamente aprofundado do que é a "juventude" nos dias que correm - por exemplo para um professor! - não é novidade...
Não deixa contudo de revoltar as tripas.

Vimos ontem na RTP a reportagem “Até ao Coma Alcoólico e ninguém pode ter deixado de ficar chocado, angustiado e revoltado.
Com a futilidade, com a irresponsabilidade, com a inconsciência.

Falava a reportagem da "noite" dos jovens lisboetas, regada abundantemente com álcool, para além de qualquer controlo, esticada até altas horas da manhã em total roda livre.
Ou precisando, já nem "jovens" mas crianças!
Que abalam de casa de táxi
, acorrem a concorridíssimos espaços de animação nocturna onde atestavam os buchos de álcool e sensações, e queimam a noite e os euros no carrossel vadio das capelinhas da capital.
Porque "sair à noite sem beber é uma seca"!

"Futilidade, irresponsabilidade, inconsciência."
...Dos adultos, entenda-se!

Quem é o degenerado do pai que recheia de dinheiro o bolso a um filho de 10, 14, 16 anos que seja, o mete num táxi, o manda para a noite, sabe Deus para onde, e o recebe sem perturbação de alma alcoolizado de madrugada?
Quem é o degenerado do pai, que não é metido na cadeia?

Quem é o criminoso do comerciante cujo negócio de "diversão nocturna" consiste em chular sem escrúpulos miúdos desta idade, que encharca de bebidas alcóolicas menores - por vezes em bar aberto - no único limite do dinheiro que tenham para o consumir?
Quem é o criminoso, que não vai preso?

Quem é o nojento do Estado que permite este género de coisas, pela permissividade e inacção das suas múltiplas sucursais e ramificações, e que tem o descaramento de fazer tantos discursos moralizadores sobre as prevenções de dependências, formação dos jovens, obrigações dos agentes económicos e responsabilidades dos pais?
Quem é o nojento do Estado, que não é chamado à justiça?

Por estas e outras é que acho engraçado andar o Governo com estas guerras de alecrim e manjerona (não fossem elas seriíssimas) sobre estutos de carreiras de professores e outras areias atiradas para os olhos.
"O País está metido num sarilho"? Ai está, pois! Maior do que a generalidade dos portugueses julga.

Porque estes jovenzinhos não são de minorias étnicas.
Não vivem em bairros de realojamento.
Não estão visadas por nenhum Roteiro de Inclusão.
Não provêm de famílias (aparentemente) desestruturadas.

Vivem apenas num País de brincar.
Em que brincar é um direito constitucional. Qualquer um, com qualquer coisa.
Em que o "chic" é o brincar (muita, muita gente) com coisas sérias, para lá do limite do aceitável.
Senão, a vida "é uma seca"... (Expressão sinistra que há dez anos de ensino atrás não existia, nem em similares!...)

Parabéns a Mafalda Gameiro, Pedro Mateus e Guilherme Brizído.
Mesmo os mais distraídos, não digam agora que não foram avisados.

5 comentários:

abelha maia disse...

está fantástico este post.
Isto é asustador...porque me parece que ninguém vê isto!
será que só os professores se apercebem disto???

o que me incomada mais é a frieca que cada vez mais existe nos miúdos.

assustador....

abelha maia disse...

ui fiz um erro... frieza....sorry..

Joaquim Sobral Gil disse...

A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA na Parte I, TÍTULO II com o epígrafo DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS inicia com o CAPÍTULO I: "Direitos, Liberdades e Garantias Pessoais".

(...)

Jamirinha disse...

Isto é assim e vai continuar, basta ir a um café perto de uma escola que lá estão eles agarrados aos copos. E as discotecas estão cheias de adolescentes. Ainda no sábado a noite sai e eram umas 22:30 já estavam umas jovens a vomitarem-se todas.

redrock disse...

"Quorcica propter hoc quod unius generatio est alterius corruptio, et e converso unius corruptio est alterius generatio, est generatio transmutatio quae nunquam secundum naturum quiscit..."